Gilvan admite posição “inchada” e diz que pré-temporada definirá saídas no Cruzeiro

Presidente celeste disse que ainda aguarda definição da comissão técnica

 

O retorno de Fabrício ao Cruzeiro na negociação que levou Wilian e Fabiano ao Palmeiras impôs um “problema” ao treinador Mano Menezes: alta população na lateral esquerda da Raposa. Além dele, estão à disposição Bryan, Edimar e o recém-contratado Diogo Barbosa. De acordo com o presidente Gilvan de Pinho Tavares, porém, alguma das opções será negociada pelo clube após o período de pré-temporada, quando a comissão técnica tomará uma decisão.

“O Fabrício, essa questão chegou agora, na conclusão da negociação entre Robinho e Fabiano. Um atleta que o nosso treinador ainda fará avaliação. Posição que estamos mais inchados. Mas nesta pré-temporada irá fazer uma avaliação. Não ficaremos com tantos jogadores na lateral esquerda”, adiantou o mandatário, sem dar pistas sobre quem será o escolhido para deixar a Toca II.

Diogo Barbosa é o principal candidato a começar 2017 como titular. Em entrevista coletiva, Mano Menezes elogiou as qualidades do ex-jogador do Botafogo, que teve 25% dos direitos econômicos adquiridos pelo Cruzeiro, e o classificou como lateral de “bom passe, boa passagem e bom acabamento de jogada”. No ano passado, Barbosa disputou 45 partidas com a camisa do Bota, sendo 26 pelo Brasileiro.

Porém, se depender da primeira passagem de Mano Menezes pelo Cruzeiro, as perspectivas para Fabrício serão positivas. No segundo semestre de 2015, o lateral disputou 13 dos 16 jogos sob o comando do gaúcho, sendo 11 na condição de titular. Ele marcou um gol em cobrança de falta no empate por 2 a 2 com o Atlético-PR, na Arena da Baixada, pela 30ª rodada do Brasileiro daquele ano.

Apesar de ser um atleta versátil, que pode atuar de volante e até como meia aberto pelo lado esquerdo, Fabrício tende a ficar apenas na lateral, pois o Cruzeiro conta com várias opções para outras posições. Assim, os remanescentes Bryan e Edimar vão “disputar” a permanência na Toca da Raposa II em 2017, pois um deles deverá ser negociado pela diretoria nos próximos dias.

Natural de Belo Horizonte, Bryan, de 24 anos, chegou ao Cruzeiro em maio de 2016 após se destacar pelo América, clube pelo qual foi campeão mineiro. No clube celeste, o jogador conseguiu suas melhores atuações justamente sob os olhares de Mano Menezes, que deu a ele sequência de seis partidas entre a 32ª e a 37ª rodada da Série A. O camisa 17, que tem contrato até maio de 2019, contribuiu com uma assistência para o gol do zagueiro Manoel no empate por 2 a 2 com o Santos, no Mineirão, no dia 20 de novembro, pela 36ª rodada do Brasileiro.

Já o capixaba Edimar, de 30 anos, foi contratado por indicação do português Paulo Bento, antecessor de Mano Menezes no Cruzeiro. Depois de passar oito temporadas seguidas na Europa – onde atuou por Braga-POR, Chievo-ITA, Córdoba-ESP, Rio Ave-POR e outros clubes –, o lateral chegou a Belo Horizonte no fim de junho e assinou contrato de dois anos (até junho de 2018). Seus primeiros jogos a serviço do clube foram bons, sobretudo na parte defensiva. No returno do Brasileiro, porém, Edimar caiu de produção e passou a ser contestado pela torcida.

Em enquete realizada pelo Superesportes no dia 16 de dezembro, Bryan foi o preferido pelos internautas para continuar na Toca da Raposa e ser a “sombra” de Diogo Barbosa. Ele recebeu 49% dos votos e foi seguido pelo chileno Eugenio Mena – que não será aproveitado (37%) – e Edimar (14%).

Além de Mena, o Cruzeiro tem outros dois laterais-esquerdos fora dos planos: Pará e Breno Lopes. O primeiro já foi emprestado ao América até dezembro. O segundo ainda não definiu seu futuro.

Deixe uma resposta

Topo